FSM não é carnaval. Mas a mídia faz parecer que é.

Parece, ou melhor, é patente, que a grande mídia não leva nenhuma ação política contra-hegemônica a sério. Liguem a televisão ou o rádio, e o que verão sobre o Fórum Social Mundial é uma caricatura desse movimento que merece atenção de todo o mundo. Abram os jornais e o que terão é uma demonstração de que a tomada de consciência por parte da população não é o desejo da mídia. Aliás, essa criatura amorfa que nos envolve (sem mesmo uma definição precisa - o que é mídia afinal?) não gostaria que pensássemos. Como diária Giordano Bruno sobre o desejo da Igreja de sua época, "vive em teu estado asinino". Contra essa porcaria de cobertura que não informa, apenas deforma, sugiro visita aos sites da Carta Maior e do Le Monde Diplomatique. E uma overdose de TV Brasil (sim, ela também existe, é boa e tem audiência).
Para finalizar, um texto magnífico:
"Cultura popular é reinventar o mundo. É fundir o ouro, o cobre, o chumbo, a prata, é construir os instrumentos, é curtir o couro; é moldar o barro, polir a pedra, tingir a areia, converter penas em coroas verdadeiras, talhar a madeira, tecer as fibras das árvores e, com elas, tecer a fibra da humanidade nova. E cantem livres aos ventos que os levem a uma roda de baile que cultive nossos povos, nutrindo assim a nossa espiritualidade"(Carta das Culturas Populares).
As belas palavras acima estão no blog do "Le Monde Diplomatique" . Sugiro uma visita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí

A mão amada