Salvação

Vejo-a tão triste hoje, pequena;
Enfim descobriste que jamais procurei salvação em ti.
Nunca quis teu amor sublime.
Desejei teu corpo, e só.
Como outros também o desejaram.

Tantas conversas ao pé da noite travamos,
Madrugadas inteiras povoadas de Deus e anjos.
Acho que tu és angelical, enfim.
Mas não salvarás esta alma minha,
Que ama a vida terrena, e não crê.

Mas se lhe serve esta promessa, jamais me esquecerei de ti.
E, mesmo esquecendo, a sentirei para sempre.
Pois a pele, infame, não esquece.
Parto agora, que o mundo me espera.
Salve-se e a alguém que creia menina. Adeus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí

A mão amada