A FONTE de Marcel Duchamp

Em que perspectiva a obra A FONTE de Marcel Duchamp pode ser considerada uma obra de arte?
Creio que a obra A FONTE pode ser considerada uma obra de arte na perspectiva segundo a qual tratava-se de um objeto qualquer, vulgar, mero utensílio, que certamente passaria despercebido pelos olhos de qualquer pessoa caso tivesse sido mantido como objeto para fins utilitários, e foi alçado à uma categoria superior, provocando o raciocínio de observadores e mesmo confrontando (talvez aí esteja seu maior valor) os princípios consolidados utilizados para “medir” o que é ou deixa de ser arte. A colocação de tal objeto no patamar de obra de arte que carrega a perspectiva única do artista, independente do quão foi de fato trabalhado por ele (o artista); em um lugar incomum para sua natureza utilitária; sob um título provocador, é o que confere ao objeto a categoria de obra de arte. Pensemos no seguinte caso: uma televisão queima, deixa de funcionar, mas a última imagem que ela produziu ficou gravada em sua tela (como acontecia com os monitores antigos de computador). Vamos supor que essa última imagem (ou espectro dela), fosse a abertura do Big Brother Brasil. O dono dessa tv a joga no lixo, pois a mesma perdeu completamente sua utilidade. Um artista passa pelo lixo onde ela foi jogada. Apropria-se desse objeto inútil, dá-lhe o nome de “A Mente dos Homens” (ou algo semelhante), e a envia para uma exposição de obras de arte. Aquele lixo adquire a capacidade de incitar o pensamento dos observadores, que elaboram dezenas de explicações racionais para aquela televisão significar algo para o artista que a nomeou e a expõe agora. Essa é, de fato, uma obra de arte? Creio que, na mesma perspectiva de A FONTE, ela é sim uma obra de arte.

A FONTE é um readymade. O que é isso?
É um objeto ordinário, de uso comum e utilitário, alçado à categoria de arte por ter recebido, por parte do artista, uma conotação não-utilitária e sim artística. Trata-se de um objeto que ganhou, por algum motivo, um elemento que o tirou do lugar comum e o tornou um incitador do pensamento, que provoca a reflexão no observador, que provoca o sujeito e a própria concepção de arte.

O que é um objeto ansioso?
Objeto ansioso é o objeto (ser vivo ou não) elevado à categoria de arte que suscite, no observador, a inquietação de buscar questionar se aquilo é arte ou não e, se for, em que medida o é. Se não for, por qual razão? Pode ser um cavalo, por sí, uma obra de arte de alguém? Creio que não. Mas quando a ele se incorporam elementos provocadores, que fazem o sujeito enxergar para além do cavalo animal, e ver algo que o torna um questionador dos valores estabelecidos, ele passa a ser um objeto ansioso que se questiona (naturalmente alguém se questiona por ele): sou uma obra de arte ou não? Eis aí um objeto ansioso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí

A mão amada