Reflexões sobre educação

O conceito de Paideia, desenvolvido ao longo do tempo, decorreu da evolução do ideal educativo grego, em princípio contido no conceito de “Arete”, que designava a heroicidade (conjunto de qualidades físicas, espirituais e morais). Deu-se, no processo de desenvolvimento desse ideal educativo, uma expansão do conteúdo da “Arete”, passando a ser designado, então, como kaloskagathia, ou seja, além dos atributos da Arete, há a busca pela realização da beleza e da bondade.
            Mas a evolução do ideal educativo levou o homem grego para além do desenvolvimento de sua individualidade: busca-se também o desenvolvimento do homem enquanto ser coletivo, que vive em um continente de relações pessoais e com sua cidade. Ou seja, não basta mais a educação formadora de individualidades, mas a formação de cidadãos, e isso não se dá apenas com o ensino da ginástica, da musica e da gramática.
            Nas relações acima expostas, a justiça poderia ser (e com frequência era) vítima de potências individuais. Essa mesma justiça deveria, na concepção de educação grega, ser o fundamento das relações entre os homens. Dá-se, então, e finalmente, o nascimento do conceito de “Paideia”, que confere ao homem, nas palavras de Platão, o desejo de tornar-se um cidadão (e não apenas um homem) perfeito (ou seja, a busca pela perfeição nas relações de cidadania é uma meta procurada – embora dificilmente plenamente realizada – pela vida toda), que sabe mandar (na Arete e Kaloskagathia já se aprendia) e obedecer (na Paideia a obediência também é ensinada, fundamentada na justiça).
            Sendo assim, a Paideia, como ideal educativo, fornece ao homem a possibilidade de formar-se homem e, mais do que isso, cidadão – ou verdadeiro homem, fundamentando suas ações e pensamentos na justiça. Mas a sua formação não se dá apenas nos anos escolares, ao contrário, dá-se por toda a sua vida: o percurso formativo do indivíduo, no qual ele forma seu caráter, seu corpo, suas habilidades, é o percurso da moral, construída dia a dia nas relações com outros cidadãos e com as leis da cidade.
            Nesse ínterim, destaca-se, como essencial para a formação humana, o desenvolvimento do indivíduo e sua cultura fundamentados na justiça. É a busca por essa fundamentação que salta aos olhos quando se investiga as relações educativas gregas.
            O ideal educativo fundamentado na justiça – em que pese ser esse um termo que precisa ser melhor trabalhado, uma vez que há variações culturais em relação ao que é justo e ao que não é e, obviamente, em algumas culturas aspectos peculiares da justiça poderiam conflitar com o corpo doutrinário da justiça grega – é capaz de formar o indivíduo de forma a respeitar – dos aspectos mais elementares aos mais sutis – o outro indivíduo que também está em processo de formação (veja-se que esse processo de formação é contínuo, e não acaba com o fim das lições ginasiais), e as leis de sua cidade.
            Quando a formação se dá tendo como guia a própria justiça, formam-se cidadãos capazes de buscar o aprimoramento de suas relações interpessoais e das próprias leis da cidade. Ou seja, não se trata de formar crianças à luz de um conjunto rígido de leis (que buscam ser justas, claro), mas de um conceito que extrapola a capacidade humana de forjar regras para determinar o que é certo ou errado na cidade.
O conceito de justiça como guia do percurso formativo do indivíduo é essencial na formação humana, que gera sujeitos ao mesmo tempo capazes de respeitar o próximo, sua cidade e suas leis, e alterar as regras legais, visando o aprimoramento do corpo doutrinário que rege a vida na cidade e suas próprias relações com o outro.
Essas ideias lançam luz sobre uma questão de difícil solução: a melhoria da educação pública brasileira.
Nos últimos anos, tem-se visto uma galopante melhoria nas condições dos materiais educativos dos quais os professores dispõe para ministrar suas aulas. Tanto nos materiais mais básicos, como os livros, lousas e carteiras, até os mais tecnológicos, como projetores, computadores e softwares de última geração (é óbvio que isso não existe em todas as escolas públicas brasileiras).
A questão de maior problema agora é a relação professor-aluno. A mais absoluta falta de respeito impera nesse setor, fazendo das salas de aula verdadeiros campos de batalha entre aquele que quer ensinar (e às vezes não tem formação mínima para isso) e aqueles que vêm-se investidos de toda forma de legitimidade para combater a autoridade do professor (e encontram proteção nas regras e leis existentes – mesmo sendo ações claramente atentatórias contra o bem-estar escolar).
Em suma, vê-se uma situação em que o aluno está investido de mais autoridade do que o professor que está ali para ensiná-lo. O problema da educação pública brasileira está aí, e não apenas, como querem fazer crer muitos pais de alunos, alunos e até professores, na precariedade das escolas (a despeitos das evoluções tecnológicas e de materiais didáticos). A precariedade existe e não se nega isso, mas mesmo essa precariedade daria conta de formar minimamente alunos que saem das escolas (“precárias”) muito menos “formados” do que essa escola seria capaz de formar.
Desenvolver relações de ensino-aprendizagem de qualidade é a mais alta dificuldade a ser enfrentada hoje. Talvez restituir a justiça como guia do percurso formativo seja o caminho para se construir um ensino público de qualidade, hoje guiado pelo conceito de “liberdade” dos alunos. Que haja a desejável liberdade, mas que seus limites sejam os impostos pelos mais altos valores da justiça.

Todo o resto é parafernália tecnológica que, ao invés de formar pessoas que pensam, forma sujeitos incapazes de pegar um lápis, apontar, e escrever o próprio nome sem erros gramaticais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

A mão amada

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí