A lágrima (feminina) move o mundo

É claro que as mulheres têm sempre razão. Afinal, quem é macho o suficiente para ver uma mulher debulhar-se em lágrimas e, ainda assim, sustentar que o equívoco é dela, e não seu?

Por essa razão, não tenho receio de afirmar que o mundo foi criado sob o olhar choroso das mulheres, mais do que a partir da pretensa “potência criadora” do macho.

É mais fácil ceder às lágrimas femininas do que aos apelos de toda uma nação, que pede o fim de uma guerra.

Afinal, todo homem que se preze vive uma verdadeira batalha interna (sem floreios, sem meios termos, sem parcialidades) quando debate com uma mulher.

Por mais errada que ela esteja, o final é sempre o mesmo: pela via do argumento ou da lágrima, o varão tombará. É inevitável.

No final das contas, não existe testosterona que vença a lágrima.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

A mão amada

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí