Aquele corpo...

Possuía-a, e para mim era tudo. Nada mais me importava. Nada. Sua pela macia, seu cheiro doce, suas pernas finas e seios rijos. Seu corpo era meu mundo, e através de seus olhos eu via todo o resto, que não passava de migalhas sem sentido. O sol acariciava seus cabelos cheirosos, que me lembravam plagas floridas. Eram caracolados, cheios de anéis.

Gostava mesmo era de sentir seu coração pulsar forte, como o de um touro defronte o toureiro, depois da primeira lancetada. A quantidade se sangue jorrando era a mesma de adrenalina correndo nas veias longas. O corpo dela chegava a vibrar. Era instinto puro sendo exalado pelos poros. A força a e jovialidade de seu corpo era maior do que de todos os outros corpos que eu possuíra.

Fiz planos com ela. Viajar para longe, ver o fim do mundo e depois voltar com coisas maravilhosas e novas para contar a todos, que ficariam embasbacados. Ou simplesmente permanecer no fim do mundo e desfrutar da ausência de todos os outros. Qual seria o nosso fim do mundo? Pouco importava. Aliás, pouco importava tudo, já que eu a tinha.

Era amor de verdade, o mais puro, que também é o mais doloroso. Pensei em cruzar o país até a Patagônia, atravessar a Transamazônica, viver errante em uma tribo de caçadores, ou quem sabe cruzar a terra dos Czares... Cada palmo de terra andado com ela, não importa para onde fosse, seria incrível.

Mas então veio o fim e, numa sessão de exorcismo, me tiraram daquele corpo feminino conquistado com tanto esforço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

A mão amada

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí