Amor e morte

Segurou a pena,
correu alguns centímetros pelo papel branco.
Traçou linhas, palavras mudas.
Leu.
Releu.
Descobriu-se, então, morto!
Por todo o tempo que ali estivera a escrever sobre amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre arte e filosofia

O mito da caverna interpretado por Marilena Chauí

A mão amada