Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

Roda de capoeira recebe título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade

Imagem
Dança, luta, símbolo de resistência e uma das manifestações culturais mais conhecidas no Brasil, a roda de capoeira recebeu hoje (26) o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
Após votação durante a 9ª Sessão do Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio Imaterial, em Paris, a roda de capoeira ganhou oficialmente o título.
A presidenta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Jurema Machado, presente na sessão do comitê, explicou que as políticas de patrimônio imaterial não existem apenas para conferir títulos, mas para que os governos assumam compromissos de preservação de seus bens culturais, materiais e imateriais.
“O reconhecimento representa um tributo à capoeira como manifestação cultural importante, que durante séculos foi criminalizada, além de dar visibilidade internacional. Além disso, reconhece que o Brasil tem políticas públicas para cuidar…

O Louco

Imagem
Perguntais-me como me tornei louco. Aconteceu assim: 
Um dia, muito tempo antes de muitos deuses terem nascido, despertei de um sono profundo e notei que todas as minhas máscaras tinham sido roubadas, as sete máscaras que eu havia confeccionado e usado em sete vidas, e corri sem máscara pelas ruas cheias de gente gritando: Ladrões, ladrões, malditos ladrões!  Homens e mulheres riram de mim e alguns correram para casa, com medo de mim.  E quando cheguei à praça do mercado, um garoto trepado no telhado de uma casa gritou: um louco! Olhei para cima, para vê-lo. O sol beijou pela primeira vez minha face nua.  Pela primeira vez, o sol beijava minha face nua, e minha alma inflamou-se de amor pelo sol, e não desejei mais minhas máscaras. E, como num transe, gritei: Benditos, benditos os ladrões que roubaram minhas máscaras!  Assim me tornei louco. 
E encontrei tanto liberdade como segurança em minha loucura: a liberdade da solidão e a segurança de não ser compreendido, pois aquele que nos compreen…