Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2011

AME: a competência desolada

Imagem

De volta!!!

Caros leitores, depois de alguns meses "fora", voltei com tudo. Postei abaixo algumas matérias que escrevi para a revista Outdoor Regional, de Boituva. 
Alguns assuntos ainda estão sendo debatidos. Outros, tiveram o desfecho previsto na matéria, o que faz com que o texto sirva, no futuro, como base de pesquisa. 
De qualquer forma, todos expressam minha visão, com meu direcionamento ideológico, de uma esquerda democrática.
Agora, recomendo a leitura desse blog: Alguma Filosofia. Tem reflexões boas nele. Aproveitem.

A Europa em transe

O velho continente deixou de ser visto como uma massa coesa e demonstra que não possui lideranças unânimes e dispostas a uma visão global
O euro, moeda oficial circulante na Europa, está diante de uma possível fratura que arrastará, para baixo, toda a economia global. Os líderes de diversos países daquele continente tem se mostrado incapazes de controlar a situação que acomete, em especial, Grécia, Portugal e Irlanda. As medidas preconizadas pelas principais figuras políticas europeias se mostram menos duras do que o necessário para resgatar a estabilidade econômica da moeda. Com isso, já perceberam as lideranças americanas, em especial estadunidenses, todo o mundo sofrerá drásticas consequências.
Nenhum país europeu sozinho tem condições de financiar os países devedores, de forma que eles voltem a crescer. Somente o conjunto da Europa pode. Cientistas políticos concordam, contudo, que falta a unidade necessária ao conjunto de países para que isso ocorra. “Não há líderes europeus, apena…

Antônio Palocci não resistiu!

Ex-homem forte do governo Dilma Rousseff, ele foi substituído no ministério mais importante pela jovem senadora Gleisi Hoffmann, que está em seu primeiro mandato.
Antônio Palocci caiu. Agora ex-homem forte do governo Dilma Rousseff, deixou o cargo de Ministro-Chefe da Casa Civil após denúncias da imprensa de que ele teria enriquecido de forma suspeita. O Procurador-Geral da República, Roberto Gurgel, até que tentou lhe dar uma sobrevida, engavetando as denúncias contra ele, mas as explicações pouco sólidas levaram Palocci a abdicar do cargo.
Nessa primeira crise do governo Dilma, onde a oposição, ainda desorientada, tentou fazer das denúncias de enriquecimento do ex-deputado um manancial de lodo para desestabilizar o governo federal, a Presidente mostrou sua forma de fazer política. Firme, técnica e silenciosa, colocando água onde políticos oposicionistas queriam derrubar gasolina.
Formalmente, Palocci pediu demissão. Na prática, foi demitido por Dilma, que nomeou para o cargo a senado…

Palocci na corda bamba

O futuro do Ministro da Casa Civil e homem forte de Lula ainda é incerto. Explicações coerentes sobre seu enriquecimento não desfazem a urgência de uma reforma política.
O ministro-chefe da Casa Civil, Antônio Palocci, braço forte do PT dentro da equipe de governo da Presidente Dilma Rousseff, está na mira da Procuradoria Geral da República, que ainda não determinou, definitivamente, se abre ou não um inquérito contra ele, e da oposição que, ainda desorientada, tenta fazer das denúncias de enriquecimento do ex-deputado um manancial de lodo para desestabilizar o governo federal.
Segundo denúncias da imprensa, o ministro teria enriquecido ainda como deputado, a ponto de conseguir comprar um apartamento de R$ 6 milhões de reais. O enriquecimento rápido de Palocci, de qualquer forma ainda não explicada (ao menos de maneira aceitável) levou o popular ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a classificá-lo, à guisa de defesa, de “Pelé da economia”.
Pesam sobre os ombros do homem forte do gover…

Bin Laden: filho da América

Como diria o velho Winston Churchill, estadista britânico e primeiro ministro do Reino Unido durante Segunda Grande Guerra, “você sempre pode contar com os Americanos para fazer a coisa certa, depois que eles tentaram todo o resto”. A morte (ou assassinato) de Bin Laden foi mais um movimento desastrado dos ianques? Ainda é cedo para saber.
O anúncio do assassinato de Osama Bin Laden, ocorrido na madrugada do domingo, 1º de maio, levou o povo estadunidense a uma euforia que beirou a completa ausência de crítica. Às gargalhadas e dançando num movimento quase irracional, os norte americanos finalmente tiveram a notícia da morte do inimigo número 1 da América.
É de uma clareza solar que o assassinato de Bin Laden respondeu muito mais a um sentimento de vingança do que à uma questão de justiça, o que levaria o terrorista a um tribunal. O assassinato puro e simples serviu muito melhor à moral do povo americano do que um julgamento. Devemos refletir, contudo, que os americanos dançaram sobre…

“Não tenho medo da morte”

O político mineiro José Alencar teve uma curta, mas intensa, carreira política. O suficiente para mostrar que pode haver fidelidade à moral nesse campo “Temam menos a morte e mais a vida insuficiente”. Esta frase de Bertolt Brecht pode representar, magnificamente, a trajetória de homem público do ex-vice-presidente do Brasil, José Alencar Gomes da Silva. Nascido em 17 de outubro de 1931, deixou a família quando tinha 14 anos para assumir um emprego no município de Muiaré, Minas Gerais. Filho de um pequeno comerciante mineiro, foi emancipado pelo pai aos 18 anos, quando a maioridade civil ocorria aos 21 e, corajosamente, abriu uma loja na cidade de Caratinga. Esse era o início da carreira de um dos maiores empresários brasileiros, cuja curta carreira política foi tão intensa que marcou profundamente o cenário do poder de Brasília e demonstrou a existência de vida moral neste campo tão carente de moralidade. Na campanha presidencial de 2002, José Alencar aceitou assumir o posto de vice na …

O caldeirão do mundo árabe

A derrubada de diversos governos ditatoriais, que outrora contaram com a complacência do Ocidente, abre um vazio político que pode ser ocupado por regimes religiosos extremistas
O mundo árabe, que já era um barril de pólvora, está pegando fogo. A questão que se coloca é: até onde as consequencias dessas explosões podem chegar? As revoltas em vários países que há décadas vivem sob a batuta perversa de ditadores, tem origem inegavelmente popular. Uma frase que se tornou emblemática mostra bem isso: “só queremos viver como seres humanos”. Fato é que a pressão exercida por governos autoritários sobre seus povos atingiu o ápice, provocando reações inesperadas em se tratando de mundo árabe.
Estará se desenhando uma nova geografia política? Bem, fato é que, com a queda (ou derrubada) desses governos autoritários, alguma força política deverá ocupar o lugar agora vazio. Quem será essa força? Bem... as ações de imposição de democracia de um país sobre o outro já se mostraram ineficazes, como no …

Um caldeirão de interpretações

O caso Battisti ainda segue em aberto, exalando vapores retóricos e contorcionismos verbais que não devem apontar saída satisfatória para gregos e troianos
O caso do italiano Cesare Battisti não envolve apenas questões técnicas sobre instrumentos de extradição, mas intrincadas visões ideológicas sobre democracia, estado de direito e soberania. Em 2005, Battisti, foragido da justiça na Europa, veio para o Brasil e, em 2007, foi preso aqui. O ex-Ministro da Justiça brasileiro, Tarso Genro, em 2009, concedeu refúgio político a Battisti, que alegava não poder exercer, em sua plenitude, o direito de defesa em solo italiano, sustentando que suas condenações decorriam de perseguição política daquele estado.
O ex-guerrilheiro Battisti foi condenado à prisão perpétua na Itália em 1993, acusado de quatro homicídios ocorridos entre 1978 e 1979, época em que ele integrava uma organização de extrema esquerda. Foragido, o julgamento ocorreu na ausência do então réu.
A questão técnica gira em torno do …

O que esperar de Dilma?

O governo de Dilma Rousseff deve seguir a coerência na linha econômica que os três governos anteriores. Sem revoluções, por mais quatro anos...
Partir da tese de que um eventual governo de José Serra seria diferente de um segundo mandato do Presidente Lula ou o que será o primeiro mandato de Dilma Rousseff na Presidência da República parece um equívoco. O motivo é que tanto Lula, quanto Serra e Dilma seguem uma linha de ação responsável, que os afasta dos extremos.
A despeito da distância que a grande mídia quis impor, ou o marketing político de Dilma e Serra tentaram criar entre um e outro candidato, a linha de ação de ambos é muito próxima: um grande racionalismo balizado pelo pragmatismo econômico. Ora, é exatamente a linha pragmática que deve direcionar as ações de Dilma Rousseff em seu primeiro cargo eletivo, o mais alto do país.
As demonstrações de que a linha econômica coerente que nasceu com Itamar Franco, se fortaleceu com Fernando Henrique Cardoso, e ganhou novo fôlego com Lui…

Ética, política e “vira-casaca”

A oposição entre ética e política no cenário brasileiro desencoraja o cidadão comum, mas é prato cheio para aquele que age de forma oportunista
Peço licença ao leitor, acostumado com uma análise rápida de algum assunto político impressa nesta coluna, para fazer um passeio histórico que, penso, poderá auxiliar a entender melhor a dita “mudança de casaca” daqueles que, outrora oposição, atuam da mesma forma que os criticados, quando na situação. Inicio com uma pergunta: até que ponto é possível reaproximar a ética da política?
Essa questão, de certa forma, sempre esteve presente no “fazer político”, quer na antiguidade, quando a ética mantinha forte relação com a política (magnificamente abordada por Aristóteles); quer na modernidade, quando essa relação foi rompida, especialmente com o pensamento de Nicolau Maquiavel; quer, ainda, nos dias de hoje, em que parece não haver qualquer compatibilidade entre uma e outra coisa.
Enquanto para Aristóteles a política visava o “sumo bem”, concebendo…

Ciência e Conspiração: a Gripe Suína

Tratada inicialmente com o pânico de uma “nova peste”, a gripe suína é protagonista de informações fantasiosas difundidas a granel.
Desde o início, o surto de “gripe suína” (Influenza A/H1N1), foi mergulhado em ares conspiratórios, e a fecundidade de algumas mentes encontrou nas mídias alternativas solo fértil para montar uma verdadeira quitanda com frutos da imaginação popular. A corrente desinformação/contra-informação gerada foi, em parte, causa do receio em procurar pela vacina, a despeito da massiva campanha em prol da vacinação, amparada por laudos científicos garantindo a segurança e eficácia do produto.
O Brasil tem, em sua memória, uma revolta popular exclusiva contra uma campanha de “vacinação”. Foi em 1904, no Rio de Janeiro, quando o governo instituiu a vacinação obrigatória contra a varíola, convencido pelo sanitarista Oswaldo Cruz. A falta de informação foi a força motriz que desaguou no caos social. A vacinação foi levada adiante, sob protestos populares, e a varíola erra…

Mentiras sobre a Comissão da Verdade

O Programa Nacional de Direitos Humanos propõe tardiamente a criação da Comissão Nacional da Verdade. Entre mentiras e distorções, um erro histórico pode ser corrigido
O programa lançado pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, no dia 21 de dezembro de 2009, intitulado “Programa Nacional de Direitos Humanos”, é um decreto assinado pelo presidente Lula que apóia a criação de mais de duas dezenas de leis, que ainda precisam ser aprovadas pelo Congresso Nacional.
Em seu corpo, propôs a criação da Comissão Nacional da Verdade, ponto dos mais polêmicos, levando à fúria o comandante do Exército, Enzo Martins Peri, e da Aeronáutica, Juniti Saito, além do Ministro da Defesa, Nelson Jobim. Para eles, a iniciativa é revanchista, e usam um argumento falacioso para justificar suas posições: por meio do PNDH3, o governo quer revogar a Lei da Anistia, uma vez que propôs revogar leis do período 1964-1985 que “sejam contrárias à garantia dos Direitos Humanos ou tenham d…

Política e Religião pós-25/12

Comemorar o dia no nascimento de Jesus Cristo é, de alguma forma, comemorar a fusão da política com a religião. Por mais estranho que pareça...
Em toda a história da humanidade, homens evocaram o “divino” para demonstrar que possuíam caráter, força e sabedoria; que, além de humildade (qualidade elogiada no ocidente cristão), possuíam atributos que os faziam ser aceitos (quando não “escolhidos”), pela divindade “protetora” do povo. Esse artifício continua rendendo frutos. No Ocidente, ser devoto de um santo, ou seguidor de Jesus Cristo, é essencial para que o político tenha aceitação popular.
Veja uma atitude tipicamente política: a data do nascimento de Jesus é uma incógnita. A Bíblia não traz elementos para estabelecer corretamente esse dia (25 de dezembro sequer é unanimidade entre as religiões cristãs). Estudos indicam que a instituição do Natal no dia 25 foi uma imposição sacerdotal para apagar rituais pagãos da memória popular. Outras datas comemorativas do calendário cristão foram…

Muro de Berlim: 20 anos depois

As separações simplistas e dicotômicas de mundo ruíram após a queda do Muro. E parece ser cada vez mais difícil distinguir claramente entre esquerda e direita
O mundo não é mais tão pragmático quanto foi um dia, ao menos em se tratando de política e de Brasil. O vermelho e o azul, que um dia significaram posições ideológicas e políticas bem definidas e claras o bastante para não se misturarem, estão, cada vez mais, embolados em um novelo sem fim, mas com milhares de pontas. O comunismo era o inimigo a ser batido pela outra face da terra, que havia optado pelo capitalismo. Fácil assim, ao menos superficialmente, deixando ocultas as atrocidades que subjaziam a ambos os regimes.
O mundo comemorou na segunda-feira 9 de novembro, 20 anos da queda do Muro de Berlim. De certa forma, com ele caíram muitas barreiras responsáveis por separar o vermelho comunista ou socialista da União Soviética, do azul do capitalismo, encabeçado pelos Estados Unidos da América. Essa separação dicotômica e simpli…

A quem serve o vereador?

Pensadores afirmam estar se formando uma “casta política” no Brasil. A velha função do vereador, a de representar o povo, fica em xeque nessa nova ordem.
O problema da representatividade política é antigo, mas ascendeu a um novo patamar após a Proposta de Emenda Constitucional n° 20/2008, a PEC dos vereadores. Por trás da sugestão de ampliar o número de cadeiras nas Câmaras Municipais, se escondem os desejos de uma “casta política” (veja a explicação abaixo).
A PEC dos vereadores propõe a ampliação da quantidade de vereadores para cada cidade cuja população esteja acima de 15 mil habitantes. Boituva, que tem 9 vereadores, poderá ter mais 2, assim como Iperó. Cerquilho e Tietê, também com 9 vereadores, poderão ter mais 4 cada. Porto Feliz, com 10 parlamentares, poderá ter mais 3, e Tatuí, mais 6 parlamentares, somando aos atuais 11.
A pressão dos suplentes de vereadores, ou seja, daqueles que ficaram de fora das cadeiras legislativas, para aumentar o número de representantes nas câmaras…